Terça-feira, 24 de Abril de 2007

Lá em baixo

Lá em baixo ainda anda gente
apesar de ser tão noite
há quem tema a madrugada
e no escuro se afoite
há quem durma tão cansado
nem um beijo os estremece
de manhã acordarão
para o que não lhes apetece
e há quem imite os lobos
embora imitando gente
há quem lute e ao lutar
veja o mundo a andar para a frente

E tu Maria diz-me onde andas tu
qual de nós faltou hoje ao rendez-vous
qual de nós viu a noite
até ser já quase de dia
é tarde, Maria
toda a gente passou horas
em que andou desencontrado
como à espera do comboio
na paragem do autocarro

Lá em baixo ainda anda gente
apesar de ser tão tarde
há quem cresça no escuro
e do dia se resguarde
há quem corra sem ter braços
para os braços que os aceitam
e seus braços juntos crescem
e entrelaçados se deitam
e a manhã traz outros braços
também juntos de outra forma
de quem luta e ao lutar
a si mesmo se transforma

E tu Maria diz-me onde andas tu
qual de nós faltou hoje ao rendez-vous
qual de nós viu a noite
até ser já quase de dia
é tarde, Maria
toda a gente passou horas
em que andou desencontrado
como à espera do comboio
na paragem do autocarro

Lá em baixo ainda há quem passe
e um sonho que anda à solta
vem bater à minha porta
diz a senha da revolta
vou plantá-lo e pô-lo ao sol
até que se recomponha
é um sonho que acordado
vale bem quem ele sonha
lá em baixo, até já disse
que é que tem a ver comigo
e no entanto sobressalto
se me batem ao postigo

E tu Maria diz-me onde andas tu
qual de nós faltou hoje ao rendez-vous
qual de nós viu a noite
até ser já quase de dia
é tarde, Maria
toda a gente passou horas
em que andou desencontrado
como à espera do comboio
na paragem do autocarro

Lá em baixo ainda anda gente
e uma cara desconhecida
vai abrindo no escuro
uma luz como uma ferida
como a luz que corre atrás
da corrida de um cometa
e vejo vales e valados
no sopé duma valeta
lá em baixo ainda anda gente
e uma cara conhecida
vai ateando noite fora
um incêndio na avenida

És tu Maria, eu sei, já sei, és tu
qual de nós faltou hoje ao rendez-vous
qual de nós viu a noite
até ser já quase de dia
é tarde, Maria
toda a gente passou horas
em que andou desencontrado
como à espera do comboio
na paragem do autocarro

 

Sérgio Godinho

 

 

Vânia


suspirado por barbaletasguerreiras às 17:58
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

@Novembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
29
30


@Onde está?

 

@Balelas

@ Lá em baixo

@Dores antigas...

@ Novembro 2007

@ Outubro 2007

@ Setembro 2007

@ Agosto 2007

@ Julho 2007

@ Junho 2007

@ Maio 2007

@ Abril 2007

@ Março 2007

@ Fevereiro 2007

@ Janeiro 2007

@ Dezembro 2006

@ Novembro 2006

@ Outubro 2006

@ Setembro 2006

@ Agosto 2006

@ Julho 2006

@ Junho 2006

@ Maio 2006

@Sopro mágico

@ eu

@ amor

@ gato

@ me

@ amizade

@ alma

@ guemil

@ hell

@ fim

@ tu

@ porque é que eu te odeio tanto

@ o ladrão de almas

@ palavras

@ m.m.

@ medo

@ mexicano bum bum

@ acreditar

@ fuck

@ gaticidio

@ gato vadio

@ todas as tags

@Essência

@ História do Tinoco

@ ATRIUM

@ Liberdade

@ Cativar

@ Gato

@ Got Glue?

@ Amor...

@ at last...

@ O porquê deste blog...

@ hoje é o primeiro dia do ...

@Companheiros de armas...

SAPO Blogs

@subscrever feeds